Make or Break - 3 dias que resultam em 15 projetos tecnológicos

Make or Break, evento apoiado pela Convocatória Aberta do ScaleUp Porto., já aconteceu. Durante 3 dias, cerca de 120 pessoas trabalharam 15 projetos num hackathon que os participantes carinhosamente apelidam de “tech party”. Assim se fez a edição de 2017 do Porto Summer of Code que este ano se transformou em Make or Break.

"O objetivo da organização é enaltecer a comunidade tecnológica do Porto. Proporcionar a todos os participantes três dias de diversão e aprendizagem, envoltos num espírito de companheirismo e entreajuda." - João Valente, organização Make or Break

O que começou como uma competição de programação para estudantes, tornou-se num evento para criativos, hackers, designers, programadores, gamers e amantes de tecnologia no geral. O Make or Break surgiu com muitas novidades, tendo especial foco na aprendizagem e construção de novos projetos.

Instalados no coração da cidade do porto, tudo aconteceu entre o passado dia 8 e 10. Foram três dias pautados pelo ritmo enérgico dos participantes e com “as mãos na massa” para trazer à realidade as ideias que surgiram no evento. Cada projeto foi enquadrado numa de 3 categorias:

-Útil: aplicações relevantes de utilidade para um publico alvo definido;

-Divertido: com foco no entretenimento/diversão;

-Hardcore: projetos de habilidade técnica superior.

21731646_2015285595383033_8108769765387799509_o.jpg

A originalidade e conhecimento técnico não faltou como podemos confirmar nos projetos apresentados:

-HealthyScan - ajuda a identificar produtos potencialmente perigosos numa refeição;

-Dhroraryus – organiza agendas de forma inteligentes de acordo com as restrições e preferências do utilizador;

-PiDrobe – assistente que ajuda a escolher o que vestir;

-Poop’n’Pee - possibilidade de alugar casas de banho de locais privados;

-Selftie - ajuda o utilizador a fazer previsões sobre tarefas, comparando a previsão com a duração real e melhorando assim o seu autoconhecimento;

-Where2.go - sistema de recomendações com base em redes neuronais para ajudar a tomar decisões;

-TravelBug - um algoritmo que ajuda os apaixonados por viagens a descobrir o seu próximo destino;

-Porto Crypto Coin - a “moeda do Porto”, uma moeda que permite troca de valores de forma rápida e segura;

-HIT - Hands Interactive Therapy - um jogo desenvolvido para ajudar à terapia e reabilitação de problemas em mãos;

-myPlant - um sistema de rega para plantas;

-Uniquiz - uma aplicação para melhorar o método de estudo e relação entre professores e estudantes;

-Jukebify - uma jukebox virtual que interage com o Spotify e permite selecionar a música seguinte de acordo com a melhor oferta;

Os vencedores? Esses superaram-se e levaram os prémios:

-TODOS – vencedor na categoria ÚTIL, uma solução que permite identificar e juntar todas as anotações de um projeto;

-WHOOPS – vencedor na categoria DIVERTIDO, aplicação para encontrar e avaliar as melhoras casas de banho espalhadas pela cidade;

-GOATIE SIMULATOR – vencedor na categoria HARDCORE, um simulador com inteligência artificial, desenhado para simular populações de cabras;

21728628_2015293555382237_362213714131646160_o.jpg

Os prémios não eram o principal, mas os vencedores não foram de mãos a abanar para casa. Monitores, consolas e Oculus Rift foram a recompensa pelo trabalho realizado e terem levado a melhor na votação.

Para João Valente, “Após três edições que culminaram numa sessão de apresentações finais e posterior avaliação do júri, concluímos que um formato de “feira”, onde os participantes demonstram os seus projetos a toda a comunidade contribui para um ambiente mais dinâmico onde os participantes têm mais oportunidade de interagir, bem como conhecer melhor os projetos realizados durante o evento."

Todos os projetos foram desenvolvidos com o princípio de serem open-source e ficarão disponíveis para que qualquer pessoa possa construir variações ou evoluções dos mesmos.

Nem tudo foi animação e desenvolvimento, houve também tempo para workshops dedicados a temas como Introdução à Impressão 3D, Manutenção de Hardware, Criar um Servidor de Raiz e outros temas ainda mais técnicos. Ao logo dos três dias contabilizaram-se seis workshops, todos eles pelas mãos de empreendedores da cidade ou de entidades ativamente envolvidas no ecossistema local.

21729044_2015286588716267_7879261293215583282_o.jpg

O Make or Break foi um dos primeiros eventos a acontecer no âmbito da convocatória aberta e já mostrou o seu impacto direto no ecossistema da cidade. A convocatória aberta disponibilizou cerca de 70 mil euros para apoiar iniciativas do ecossistema de empreendedores da cidade, realizando-se desde Julho de 2017 até ao final deste ano e conta com a participação de 8 organizações da cidade reunindo centenas de empreendedores.

Contactos

ligue-nos+351 222 097 000

C.M. do PORTO Praça General Humberto Delgado4049-001 Porto, Portugal

envie-nos emailhello@scaleupporto.pt

ECOSSISTEMA DE STARTUP E SCALEUP DO PORTO



Ver Agora